.
Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

segunda-feira, 18 de maio de 2015

RESENHA #5: GAME OF THRONES 5X5: KILL THE BOY



Olá, historiadores!

Trazemos o que aconteceu no 5º episódio dessa maravilhosa série.

Lembrando que contém SPOILERS para quem ainda não assistiu.


O 5º episódio de GoT inicia-se com Missandei olhando para Verme Cinzento (adormecido ou morto) e Daenerys velando o corpo de Barristan, O Ousado. Ela decide chamar por todos os líderes das principais famílias e prendê-los, começando por Hizdahr zo Loraq que, no final do episódio anterior, lhe pedia novamente para abrir as arenas para lutas. Só que, na verdade, decide dar os prisioneiros a seus dragões, para ver se confessam quem é o responsável pelos Filhos da Harpia. Neste primeiro momento, só um dos líderes é queimado e devorado pelos dragões no calabouço.


Sam lê para Meistre Aemon sobre Daenerys e como ela vem sendo pressionada pela cidade de Meereen. Jon chega para pedir conselho ao Meistre, que diz que já que metade dos homens da Guarda já o odeiam, que ele faça o que tem que fazer. É aí que vem a explicação do título do episódio, quando Aemon diz: "Mate o menino Jon Snow, e deixe aparecer o homem!".


Jon então conversa com um selvagem (que esqueci o nome) e eles combinam, após bastante discussão, de ir buscar o povo livre com navios, que Stannis talvez empreste de sua frota. Só que a exigência foi que Jon o acompanhasse, caso contrário ele não iria. Enquanto Jon faz o anúncio para seus homens, Stannis parece aquiescer com seu plano, já que ao contrário do que a maioria pensa, seriam menos inimigos, não mais (menos Caminhantes Brancos para derrotar). Esta decisão dele como Lorde Comandante gera muita confusão entre os Guardas da Noite. Inclusive Olly, um dos meninos que teve a família massacrada pelos selvagens e agora serve à Jon, fica chateado. Se não me engano, é o mesmo menino que matou a Ygritte com uma flechada.


Brienne e Pod estão em um quarto de estalagem, conversando sobre os perigos que Sansa corre junto aos Bolton. Pede ao serviçal que leve uma mensagem sua para Sansa. Em Winterfell, Ramsay Bolton conversa com sua amante, Myranda, que sente ciúmes de Sansa. Ele diz para ela não aborrecê-lo, pois sabe o que acontece com as pessoas que assim o fazem.
Uma criada entra no quarto de Sansa e diz que ela não está sozinha, e se tiver problemas, é para acender uma vela na janela mais alta da torre. Myranda se apresente à Sansa, que está olhando para a torre. Se finge de amiga e começa a conversar sobre o vestido de Sansa e sua mãe, e acaba levando-a para o canil, dizendo que tem algo que pode fazê-la se lembrar de sua mãe. Sansa entra e vai percorrendo o canil até a última baia. Quem está lá? Theon Greyjoy, que se encolhe de medo, no que Sansa sai andando depressa para fora.


Theon conta a Ramsay que Sansa o viu, e espera ser castigado por ele, mas é perdoado. Ramsay serve vinho a seu pai, sua madrasta e Sansa e para si, e faz um brinde ao seu casamento com ela. A esposa de Roose diz que Sansa deve se sentir deslocada em um lugar estranho, ao que ela responde que lá não é estranho, pois é seu lar; as pessoas é que são estranhas. Ramsay faz com que Theon peça desculpas por haver matado seus irmãos e segue atormentando Sansa ao ficar relembrando que está sozinha neste mundo e Theon (chamado agora de Podre) é o mais próximo que ela tem de um parente vivo e que ele a levará até o altar. Aproveitando a ocasião, informam que Walda está grávida de Roose, e pelo jeito é um menino. Sansa se regozija com o incômodo de Ramsay pela notícia.


Roose conta ao filho sobre sua mãe, que era uma camponesa que havia se casado na noite anterior sem seu consentimento. Então, ele matou o homem enforcado numa árvore e a possuiu debaixo da mesma árvore, com o homem ainda balançando lá. Um ano após, ela apareceu com o menino e ele quase mandou que a espancassem e jogassem o bebê no rio, mas reconheceu que o garoto era mesmo seu filho.

Sam aparece conversando com Gilly sobre trivialidades, mas então aparece Stannis e ela sai. O Rei começa a perguntar sobre o vagante branco que Samuel matou, e ele explica que foi com uma adaga feita de vidro de dragão (obsidiana). Stannis diz a Sir Davos que partirão ao amanhecer para Winterfell, e a princesa e sua esposa os acompanharão. Jon se despede de Stannis e Melisandre lhe lança um olhar de desdém.


Verme Cinzento finalmente desperta, após 3 dias de cama, e fica sabendo que Sir Barristan morreu. Confessa para Missandei seu amor, de uma forma interessante. Ela lhe dá um beijo. Daenerys diz a ela que não pode dar a todos os mestres o que eles mereceriam, senão não sobrará nenhum. Então, decide reabrir as arenas de luta e se casar com um dos líderes, Rizdahr zo Loraq, a quem informa sua decisão em primeira mão.


Jorah e Tyrion chegam a Valyria, pelo Mar Fumegante. Aprendemos um pouco sobre a história e o temor dos piratas pelo local é justificado quando eles vêem um dragão sobrevoando o local (Drogon) e logo após, o mar borbulha e caem dois homens (ou zumbis, sei lá) e os atacam. Jorah avisa Tyrion para não deixar que o toquem. Mas na luta, ele acaba tendo que se jogar amarrado no mar e um deles o toca na perna, puxando-o para baixo. Logo após, Tyrion desperta, tendo sido salvo por Jorah, e ele corta suas cordas. Tyrion mente sobre nenhum dos escamagris tê-lo tocado. Parece que Valyria é o local para onde eles são enviados quando descobertos com a doença. Antes de finalizar o episódio, vemos Jorah levantando o punho da camisa que utiliza e o escamagris ali, então ele também mentiu para Tyrion. Ambos podem estar condenados à doença.


Este episódio teve bastante da parte política, começando pelo casamento de conveniência que Danny arranjou e pela decisão de Jon em acompanhar os navios em busca dos selvagens.

Por Dentro do Episódio:


Próximo Episódio: Unbowed, Unbent, Unbroken



Postado por




Nenhum comentário :

Postar um comentário