.
Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

domingo, 9 de agosto de 2015

RESENHA #30: O BOSQUE DE HERETE, DE CARLA MONTEBELER

Ficha Técnica

Título Nacional: O Bosque de Herete (Skoob)
Série: As Crônicas de Adulão – Livro 2
Autora: Carla Montebeler
Editora: Modo Genérico
Ano: 2014
ISBN: 9788584050024
Páginas: 138
Formato: 14,8 X 22,1 cm
Acabamento: Brochura
Gênero: Ficção, Romance, Religião





Sinopse

São dias difíceis para Samah e os outros Valentes. Eles não só lutam pela vida ao fugir de Saul como também precisam defender seu país das investidas dos filisteus.
Davi encontra abrigo na floresta de Herete, onde se consolida no propósito de proteger os hebreus da invasão filisteia, fazendo de seus guerreiros uma força armada mais eficiente que o exército real.
Quando a cidade de Queila é atacada pelo inimigo, eles decidem salvá-la, mas são traídos e precisam se esconder no deserto de Maom.
É neste contexto que Samah busca se afirmar como guerreiro, provando sua capacidade de liderança, além de enfrentar uma nova ameaça a sua família.
Amizade, encorajamento, bravura, romance e nobreza se misturam nesse segundo livro da série As Crônicas de Adulão. Samah continua nos ensinando que vale à pena lutar em defesa da nossa família, dos nossos sonhos, e que nenhum inimigo, por mais forte que seja, é maior do que uma causa justa!


Autora

Carla Montebeler é a filha caçula dos onze do Sr. Moacyr Januário. Era Carla Januário até se casar com Wellington em 2008. Veio de uma família de professores e músicos. Professora de Escolas Bíblicas Dominicais desde 1989, apaixonou-se pela história de Israel.
O prazer de ensinar sempre foi a motivação principal, mas tem outros hobbies, como tocar seu violão e seu teclado, além de se meter a fotógrafa amadora. Com uma personalidade colérico-sanguínea, os traços de perfeccionismos são compensados pelo bom humor.
Hoje tem 40 anos e é mineira de Belo Horizonte, cidade que ama de todo coração, junto com o Clube Atlético Mineiro! Suas ambições são conseguir viver exclusivamente como escritora (viver, não só sobreviver!) e conhecer os lugares sobre os quais escreve nas Crônicas de Adulão.
Vive em São Paulo (SP) com seu marido Wellington Fabiano e o filhinho deles, Guilherme.


Opinião

Esta resenha pode conter SPOILERS do livro anterior. Para conferir a resenha de “O Vale de Elah”, clique aqui.

O livro nos traz uma visão através de Samah, nosso narrador desde o livro anterior, que nos conta suas experiências no exército de Davi, o homem que matou o gigante Golias. Ele começa situando o ponto em que havia parado a narrativa. Tem um bom fundo histórico e religioso, sem torná-los o foco.

Possui somente 6 capítulos, mas apesar de ser curto, neste volume já percebemos um enredo com mais ação, o que muito me agradou. Apesar disso, caiu um pouco o fator humor, por trazer a temática da guerra, dando um tom mais sério. O problema em decorar nomes permanece, pois é muito parentesco e personagens mencionados.

Falando neles, preciso dizer que não gostei do Radamés, da menina Anu e do rei Saul, por diferentes motivos. Estou curiosa para saber o que acontecerá com Urias, um novo personagem que apareceu no caminho de Samah.

A escrita da Carla continua ótima, tanto que li em somente um dia. A descrição dela é suficiente para nos fazer imaginar a cena, sem ser cansativa. Recomendo muito, pois a série está me surpreendendo para bem e está cada vez melhor.


Frases Marcantes

“Não emita conceitos sobre situações que você não conhece!”

“ – Porque a inveja é pior do que o veneno na flecha de um filisteu, Anu. Ela impede a pessoa de ver as coisas boas que ela tem e ela passa a ver todo mundo como responsável pelas coisas ruins que acontecem.”

“Engraçado que como pastor eu sempre me senti eficiente; como agricultor, uma miséria; como filho e irmão, sempre insuficiente; mas como guerreiro, eu era um mestre!”


Capa e Diagramação



A capa é interessante e condiz com a história. Para mim fez toda a diferença ler este 2º volume em formato físico, pois a diagramação está MUITO linda! Os capítulos sempre se iniciam em uma nova página ímpar, precedidos de um símbolo com a escrita “As Crônicas de Adulão”. Contém um mapa, que não é primordial, mas fica um detalhe a mais para nos situarmos na história. Possui orelhas.
As páginas são amareladas, as letras têm um bom tamanho, o espaçamento é bom e a numeração das páginas é no canto inferior externo. As páginas à esquerda possuem o nome da autora e as da direita, o nome do livro. Há poucos erros de digitação/revisão que não prejudicam a leitura.


















Nota



Onde Comprar



O livro é uma cortesia da autora Carla Montebeler. A resenha realizada aponta pontos positivos e/ou negativos encontrados pelo autor do post no decorrer da leitura. A opinião do autor é pessoal e independente da editora e/ou autora do livro.


Postado por


Nenhum comentário :

Postar um comentário