.
Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

RESENHA #36: O PISTOLEIRO, DE STEPHEN KING

Ficha Técnica

Título Nacional: O Pistoleiro (Skoob)
Título Original: The Dark Tower I: The Gunslinger (Goodreads)
Série: A Torre Negra – Livro 1
Autora: Stephen King
Editora: Objetiva
Ano: 2013
ISBN: 9788539004348
Páginas: 288
Formato: 12,7 X 17,8 cm
Acabamento: Brochura
Gênero: Fantasia, Ficção Científica, Terror



Sinopse

Assim começa a história de Roland de Gilead, o último pistoleiro, condenado a vagar por um mundo pós-apocalíptico em busca da Torre Negra, lugar mítico que controla todo o tempo e todo o espaço. Roland é o protagonista deste primeiro volume da série A Torre Negra, obra do cultuado escritor norte-americano Stephen King.
O pistoleiro acompanha Roland em sua perseguição ao enigmático homem de preto na paisagem desértica, quase atemporal, de um mundo arruinado. Alcançar sua nêmesis é apenas o primeiro passo na jornada rumo à Torre Negra, onde Roland espera impedir a destruição de seu mundo. A aventura ainda se estenderá para outros mundos, levando-o a realidades que jamais sonhou existir.
A série A Torre Negra é composta por romances ao mesmo tempo realistas e visionários, portas de entrada para um unvierso fantástico que cultiva uma legião de fãs ao redor do mundo. Inspirados no universo imaginário de J. R. R. Tolkien, no poema épico do século XIX “Childe Roland à Torre Negra Chegou” e repletos de referências à cultura pop, às lendas arturianas e ao faroeste, os livros compõem um eletrizante misto de ficção científica, fantasia e terror.


Autor

Stephen King é autor de mais de cinquenta livros best-sellers no mundo inteiro. Os mais recentes incluem Revival, Sr. Mercedes, Doutor Sono, Sob a Redoma (que virou uma série de sucesso na TV) e Novembro de 63 (que entrou no top 10 dos melhores livros de 2011 na lista do New York Times Book Review e ganhou o Los Angeles Times Book Prize na categoria Terror/Thriller e o Best Hardcover Novel Award da organização International Thriller Writers). Em 2003, King recebeu a medalha de Eminente Contribuição às Letras Americanas da National Book Foundation e, em 2007, foi nomeado Grão-Mestre dos Escritores de Mistério dos Estados Unidos.
Ele mora em Bangor, no Maine, com a esposa, a escritora Tabitha King.


Opinião

Roland é o último pistoleiro. Não ficamos sabendo seu nome logo no começo, ao contrário, demora bastante para sabermos como ele se chama. Enquanto isso, a história vai se desenrolando, e o narrador (3ª pessoa) nos mostra os eventos atuais, mas também trechos do passado do personagem principal, e até de alguns outros personagens. Toda essa aura de mistério me fez ficar meio apreensiva, sem saber qual seria sua próxima atitude.

Stephen King algumas vezes contou situações que me faziam questionar como seriam possíveis. Um exemplo é com relação às balas de Roland, que parecem infinitas. Mas ao mesmo tempo, ele descreve tão bem, com uma riqueza de detalhes e com uma imaginação tão farta, que esses pormenores acabam sendo secundários.

Realmente, eu me admirei com essa fantasia e, ao mesmo tempo em que queria questionar o raciocínio do autor em determinados pontos, a forma como foi feito é fantástica. Acredito que King use daquela máxima dos personagens em tons de cinza, como disse George R. R. Martin em alguma entrevista que li. Roland é o típico personagem nem bom, nem ruim, mas sim que busca por seus interesses com objetividade e vai até as últimas consequências. O Homem de Preto, que supostamente é o vilão deste volume, parece ter seus próprios motivos para agir da forma que age. O menino Jake, que acompanha o pistoleiro a partir de determinado momento, me encantou.

O livro até a metade não me atraiu muito, pois foram diversas descrições até ter o universo montado em minha cabeça. Mas a partir daí, ficou bem melhor. Como são 7 livros no total, penso que os próximos são mais promissores, já que foram escritos por um King mais maduro. O final me deixou de boca aberta, mas como Roland apresenta uma dualidade, quando parei para pensar, nem era para ser tão chocante assim. Inclusive, já era de se esperar, mesmo torcendo para que ele tomasse a atitude contrária.

A ação descrita era palpável, eu podia me ver nas cenas. A motivação da busca pela Torre Negra não está totalmente clara, e é um ponto que espero encontrar melhor desenvolvido no segundo volume. Recomendo a série, torcendo para que o próximo traga novos personagens e mais situações misteriosas.
        

Frases Marcantes

"Porque se damos uma faca e a mão para segurá-la, a mente acaba sendo tentada. Não porque queira; porque não quer.”

“Costuma sempre acabar assim. Há buscas e trilhas que conduzem sempre para a frente, e todas elas terminam no mesmo lugar – no território da morte.”

O tempo é o ladrão da memória: esse ditado ele conhecia."

“O fato prosaico da existência do universo já desacredita, por si mesmo, o pragmático e o romântico.”


Capa e Diagramação



A capa é totalmente envernizada. Os capítulos sempre se iniciam em uma nova página, que são brancas, e possuem subcapítulos. Não possui orelhas, por ser uma edição de bolso.
A letra possui um tamanho razoável, o espaçamento é bom e a numeração das páginas fica centralizada na parte inferior. Há poucos erros de digitação/revisão, que não prejudicam a leitura.


Nota



Onde Comprar



O livro faz parte de nosso acervo pessoal. A resenha realizada aponta pontos positivos e/ou negativos encontrados pelo autor do post no decorrer da leitura. A opinião do autor é pessoal e independente da editora e/ou autor do livro.


Postado por


Nenhum comentário :

Postar um comentário