.
Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

domingo, 27 de setembro de 2015

RESENHA #41: SOMBRAS DO MEDO, DE CAMILA PELEGRINI

Ficha Técnica

Título Nacional: Sombras do Medo (Skoob)
Autora: Camila Pelegrini
Editora: Garcia Edizioni
Ano: 2014
ISBN: 97885 65490764
Páginas: 200
Formato: 16,6 X 24,7 cm
Acabamento: Brochura
Gênero: Fantasia, Ficção, Distopia






Sinopse

Em um futuro pós destruição em massa, provocada pelas guerras humanas e desastres naturais - para os quais os humanos também contribuíram grandemente - o mundo é dividido em 5 grandes regiões. Em cada uma delas vivem ordinários e singulares, pessoas com ambições completamente diferentes. Estes dominam o mundo. Aqueles tentam tão somente sobreviver.
E ao viverem dessa forma, a bondade beira à extinção. O caos reina em seu lugar, despertando forças malignas que há muito esperam para serem alimentadas.
A maior guerra de todos os tempos finalmente começa e a humanidade já se encontra em desvantagem.
E em meio a tanto ódio e destruição, será o amor capaz de afastar as Sombras do Medo?


Book Trailer



Autora

Camila Pelegrini estuda direito e é professora de inglês. É de Mogi Guaçu e é uma consumidora assídua de livros, o que chega até a ser um vício (um dos bons, é claro). O livro Sombras do Medo é o primeiro publicado e ela já trabalha em suas próximas obras.




Opinião

A parceria com a Camila Pelegrini realmente me trouxe satisfação, mas eu não poderia imaginar que um livro relativamente pequeno pudesse conter tanta reflexão e nem que eu fosse criar tanta empatia pela personagem principal e a situação que vive, muito próxima à qual estamos nós mesmos caminhando para, guardando as devidas proporções, obviamente....

Anabele Godhet é uma ordinária. Isso não quer dizer que ela não presta, calma! No mundo de “Sombras do Medo”, a Terra possui recursos escassos e um homem chamado Arthur decidiu dividir o mundo em 5 grandes capitais, berços dos últimos recursos, e criar um muro ao redor dessas cidades. Para tanto, utilizou-se do trabalho dos menos favorecidos, agora conhecidos como ordinários. As pessoas dentro das muralhas são chamadas singulares.

Tudo ia bem (exceto para os super explorados ordinários, é claro) quando as pessoas começam a desaparecer, e em seu lugar, aparecem cubos de gelo. Com a falta de água, seria até uma bênção, não fosse o terror que passa a se instalar, pois cada desaparecimento é pontuado com um grito escutado tanto dentro como fora dos grandes muros. Os ordinários pensam que se trata de mais um golpe dado pelos singulares. Será mesmo?

O narrador em terceira pessoa nos mostra uma visão geral dos fatos, focando em Ana e Arthur - o presidente -, numa dualidade entre o lado do bem e o do mal, o lado dos explorados e dos exploradores. Tudo que ocorre com eles, em se tratando dos desaparecimentos e demais desdobramentos, pode ser estendido às demais regiões. 

Voltando a Anabele, ela é uma jovem de 20 anos, e possui um amigo chamado Vincent e sua mãe se chama Amanda (lindo nome, não? Rs). Seu pai foi um dos muitos explorados para construir o muro e, como todos, não regressou senão morto. Todos os ordinários devem trabalhar incansavelmente, pois os recursos que recebem é proporcional ao tempo de trabalho.

Surge na região em que Anabele vive, um forasteiro chamado Henry. Ele mexe com seu coração, mas por alguma razão, ela não consegue confiar plenamente nele nem em seus sentimentos, pois em tempos extremos, só se pode confiar na razão. Ana é uma pessoa boa, alguém raro de se encontrar em meio àquele caos. Tenta ajudar a todos com seus parcos recursos, incluindo um cãozinho (muito amor por Jhou!).

Quando as pessoas começam a desaparecer, não se sabe se há alguma lógica e nem quem será o próximo. Assim, Ana e Henry veem algo que pode ser a ponta do iceberg para solucionar o mistério. E mais do que isso sobre a história, não posso falar.

A escrita da Camila é maravilhosa, ela conseguiu me prender com essa mistura de fantasia e distopia tão bem construída. Com certeza fiquei com gostinho de quero mais, mas sei que ela se utilizou bem de suas 200 páginas para construir uma história consistente, que aborda a destruição da Terra e seus recursos, a ganância e egoísmo do ser humano, o amor pelos animais e a importância da bondade, dentre outros.

Se eu tivesse que apontar algo negativo, diria que a revisão precisa ser só um pouquinho mais trabalhada, já que apresentou alguns errinhos no decorrer da leitura. Talvez isso seja sanado agora que ele será novamente publicado, desta vez pela Editora Arwen. E, como eu já disse, é um livro curto, então fica aquela vontade de conhecer mais deste universo. Curiosamente, apesar de ser uma distopia, passa uma mensagem um tanto quanto utópica, mas que creio, todos nós gostaríamos que fosse a real, para sempre. 

Recomendo demais, pois além de ser nacional, é um livro único e muito bem desenvolvido, que possui seus ápices nos momentos corretos e não enrola o leitor, passando uma mensagem clara ao longo do livro, sem deixar de surpreender. 
     
    
Frases Marcantes

“Pessoas amedrontadas e sem esperança não reagem.”

“Os instrumentos usados para subjugar alguém são encarados de forma distinta por aqueles que dominam e por quem é dominado.”

“ – Eu sei que você sonha em mudar esse mundo, mas se serve de alguma coisa, saiba que você mudou o meu.”

 “O medo, como bem sabia ela, era capaz de fazer uma pessoa reagir, lutar. Mas em uma diferente intensidade era também capaz de tornar alguém tão inerte quanto um poste.”

“Obrigada por me mostrar que somos tão menos do que pensamos ser e que temos tanto mais a aprender.”


Capa e Diagramação



A capa é fosca e bonita, mas não consegui fazer uma ligação tão direta com a capa e o conteúdo da história. Os capítulos sempre se iniciam em uma nova página, que são amareladas. Possui orelhas.
A letra possui tamanho bom, o espaçamento é bom e a numeração das páginas é no centro, na parte inferior. O epílogo não possui numeração. Encontrei alguns poucos erros de digitação/revisão, que não chegam a prejudicar a leitura.



Nota



Onde Comprar



O livro é uma cortesia da autora Camila Pelegrini. A resenha realizada aponta pontos positivos e/ou negativos encontrados pelo autor do post no decorrer da leitura. A opinião do autor é pessoal e independente da editora e/ou autora do livro.





Postado por


2 comentários :

  1. Que resenha incrível, Amanda!
    Muito obrigada por todo o cuidado e capricho que teve para escrevê-la, e pelo carinho pelo Sombras <3

    Fiquei mt feliz!

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico muito contente quando a satisfação é mútua!
      Sou eu quem agradece pela oportunidade de ler seu livro!
      Beijos.

      Excluir