.
Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

domingo, 15 de novembro de 2015

RESENHA #48: PRODIGY, DE MARIE LU

Ficha Técnica

Título Nacional: Prodigy – Os Opostos Perto do Caos (Skoob)
Título Original: Prodigy (Goodreads)
Série: Legend - Livro 2
Autora: Marie Lu
Editora: Rocco Jovens Leitores
Ano: 2014
ISBN: 97885 79802065
Páginas: 304
Formato: 14,5 X 22,0 cm
Acabamento: Brochura
Gênero: Ficção Científica, Distopia, Young Adult



Sinopse

Depois de escapar dos militares da República, em Los Angeles, June e Day chegam a Las Vegas no momento em que algo inesperado acontece: o Primeiro Eleitor morre, e o filho dele, Anden, assume o comando da nação.
Com a República da América à beira de um colapso, os dois se unem ao grupo de rebeldes conhecidos como Patriotas. Dispostos a ajudar Day a encontrar Éden, seu irmão caçula, e a levá-los em segurança até as Colônias, os Patriotas têm apenas uma condição: June e Day devem assassinar o novo Eleitor.
A eles é dada a chance de mudar a nação, de finalmente dar voz ao povo, que viveu tempo demais em silêncio. No entanto, quando June descobre que o atual Eleitor não é o ditador que o pai dele fora, ela se vê atormentada por suas escolhas. E se Anden significar um novo começo para todos? E se uma revolução for mais do que simplesmente vingança, fúria e sangue? E se os Patriotas estiverem errados?
No aguardado segundo livro da trilogia Legend, considerado por público e crítica internacional uma das melhores distopias já publicadas, Marie Lu presenteia o leitor com um thriller magistral. A intensidade que impõe a seus personagens é de tirar o fôlego. Prepare-se para muita ação e fortes emoções do começo ao fim.


Book Trailer




Autora

Marie Lu nasceu na China e mudou-se ainda criança com a família para os Estados Unidos. Formou-se na Universidade do Sul da Califórnia e começou a trabalhar como programadora na indústria de videogames. Hoje é escritora em tempo integral. Nas horas vagas, ou quando não está presa em engarrafamentos, ela gosta de ler, desenhar e jogar Assassin's Creed. Ela mora em Los Angeles, na Califórnia (por isso os engarrafamentos), com o namorado, um Chihuahua sem pedigree e dois cachorrinhos da raça Welsh Corgi Pembroke.


Opinião

AVISO: Esta resenha pode conter SPOILER do livro anterior. Para ver a resenha de Legend, o primeiro livro da série, clique aqui.

Este foi um livro que li na Maratona Literária de Inverno (sim, estou assim atrasada), e agora que já passou um tempinho, creio que consigo falar dele sem me emocionar tanto.

Para quem já leu a resenha de Legend, sabe que eu gostei, mas não foi nada que me surpreendesse tanto. Com Prodigy, aconteceu de outra forma, um tanto quanto distinta. Neste volume, Marie Lu conseguiu me conquistar, e espero conseguir elencar aqui os motivos para que dêem uma chance aos livros dela.

Conforme esperado, este livro retoma exatamente do ponto em que o primeiro havia terminado. Day e June estão em Las Vegas e buscam ajuda dos Patriotas (já que Day está com um ferimento grave), apesar da resistência e falta de confiança por parte dela. Porém, os Patriotas não querem ajudá-los. Entretanto, a morte do Primeiro Leitor muda o quadro e os dois são recrutados. O preço da ajuda é alto: matar Anden, novo Eleitor e filho do anterior.

É óbvio que Day é a favor, pois enxerga nele o mesmo sistema opressor do qual seu pai era responsável. Mas June possui dúvidas com relação a todo esse processo, inclusive sobre os interesses impulsionadores dos Patriotas, e ao ver as ações tomadas por Anden, fica em dúvida de qual seria o melhor caminho a tomar. Além do mais, tanto Day quanto June se encontram em posição delicada, então qualquer deslize pode ser fatal. É como estar entre o fogo e a espada, sem saber para qual lado correr.

Não contarei mais da história, pois o legal é ir lendo e descobrindo os novos fatos que são apresentados pela autora. Este é, como já adiantei acima, o melhor livro da série até o momento e traz novos questionamentos e algumas explicações já aguardadas. Pretendo ler o último em breve, pois o final deste me fez chorar, algo não tão fácil de ocorrer. Marie me deixou de coração despedaçado, mas estou louca por mais.

É viciante, cheio de ação e reviravoltas. Super recomendado!
          

Frases Marcantes

“Tô te falando, Day, basta que uma geração faça uma lavagem cerebral num povo para convencer as pessoas de que a realidade não existe.”

“Remédios inibem o sistema imunológico, por isso sempre preferi lutar contra doenças por conta própria (para desespero do meu irmão).”

“ – O certo é relativo, não é? – pergunto.”

“O amor é ilógico, o amor tem efeitos: eu causei isso a mim mesma e devo arcar com as consequências.”


Capa e Diagramação



A capa é muito bonita, e sua beleza só pode ser vista e sentida pessoalmente. O símbolo é o mesmo que está nos capítulos do Day. Por falar neles, os capítulos de June possuem uma letra maior e mais espaçada, enquanto que os capítulos de Day têm uma letra menor e menos espaçada. Possui orelhas.
Os capítulos iniciam-se com o nome do personagem que o narrará e sempre numa nova página, que são amareladas e com as pontas com leves toques em cinza. As letras têm um bom tamanho, o espaçamento é bom e a numeração das páginas é no centro, na parte externa. As páginas que iniciam capítulos não são numeradas. Há alguns erros de digitação/revisão que não prejudicam a leitura.


Nota



Onde Comprar



O livro faz parte de nosso acervo pessoal. A resenha realizada aponta pontos positivos e/ou negativos encontrados pelo autor do post no decorrer da leitura. A opinião do autor é pessoal e independente da editora e/ou autora do livro.


Postado por


Nenhum comentário :

Postar um comentário