.
Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

sexta-feira, 25 de março de 2016

RESENHA #65: ANNA E O HOMEM DAS ANDORINHAS, DE GAVRIEL SAVIT

Ficha Técnica

Título Nacional: Anna e o Homem das Andorinhas (Skoob)
Título Original: Anna and the Swallow Man (Goodreads)
Autor: Gavriel Savit
Editora: Fábrica231 – Selo da Editora Rocco
Ano: 2016
ISBN: 9788568432464
Páginas: 272
Formato: 14,2 X 21,5  cm
Acabamento: Brochura
Gênero: Ficção, Drama, Romance




Sinopse

Onde haverá lugar para uma pequena órfã em meio à violência de uma guerra mundial? Anna, uma menina extremamente inteligente, educada pelo pai para falar diversas línguas e crescer em um ambiente livre, entendeu o que significava a palavra guerra, com toda a sua força, quando seu pai foi levado pelos soldados e nunca mais retornou.
A esperança chega quando um homem desconhecido a encotnra na rua. Um homem que controla pássaros. E que também controla o mundo em sua volta. Há certa magia e mistério em volta do Homem das Andorinhas. E caberá à Anna aprender tudo o que pode para sobreviver. E fugir antes que seja tarde demais.
Um romance sensível, mágico e poderoso sobre as dificuldades de ser criança durante a Segunda Guerra Mundial, para fãs de A menina que roubava livros e O garoto do pijama listrado


Opinião

Gavriel Savit chegou no mercado editorial para surpreender. Narrado em 3ª pessoa, o livro foca em Anna Lania, uma garotinha de 7 anos que mora na Cracóvia, em plena guerra, no ano de 1939. Criada por seu pai, um professor de linguística poliglota, não fica claro se sua mãe morreu ou foi embora. Apesar desta ausência materna, Anna vive uma boa vida, sabe muitas línguas para sua pouca idade, e convive com pessoas de diferentes nacionalidades.

Entretanto, tudo isso muda assim que seu pai a deixa com herr doktor Fuchsmann para ir a uma reunião e nunca mais regressa. Anna se vê abandonada por todos que se diziam amigos, sem saber o que fazer ou mesmo sem ter como entrar em seu lar. Ela não compreende o que ocorre, como uma pessoa que até o dia anterior a tratava bem, passa a ignorá-la.

É quando ela conhece um homem muito alto, que parece ser da mesma “tribo” da qual seu pai e ela pertencem, a dos poliglotas. Este homem, sem identidade, passa a ser chamado de Homem das Andorinhas, pois ele também fala a linguagem dos pássaros e “Estrada”, uma linguagem para a sobrevivência – quem for ler, saberá bem como ela funciona.

Anna aprende muito com seu parceiro de jornada, que mesmo falando pouco, também é um grande professor. Eles encontram diversas pessoas no caminho, em sua maioria, passageiras. Mas viver em eterna caminhada, com medo do que está a frente ou atrás, além de passar por privações, cobra seu preço. E é neste longo caminho para lugar algum que a protagonista vai aprendendo as coisas da vida e o que, de fato, significa a guerra.

Com uma narrativa sublime, Gavriel não dá respostas, e sim entrega questionamentos. Ao término da leitura, permanecem alguns mistérios (não chegamos nem mesmo a saber se Anna é judia ou não), assim como acontece na vida real. E eu só me pergunto se Anna chegou a questionar, em algum momento, o que é erosão (este é outro trecho do livro que contém um ensinamento lindo e dúbio).

Recomendo o livro, por toda sua beleza e sutileza, a crianças, jovens e adultos. É um livro que servirá a todos, talvez de maneiras diferentes, mas sempre maravilhosamente.
      

Frases Marcantes

“ ‘Guerra’ é uma palavra pesada em qualquer língua.”

Ouça-me, se alguma vez você duvidar de que tenha alguma coisa boa ou confortante na qual se apoiar, então é melhor assumir que não tem.”

“As inconveniências do dinheiro ultrapassam em muito suas vantagens.”

Eu tinha me esquecido do fato de que a sobrevivência por si só não é suficiente para sustentar cada vida igualmente.”


Capa e Diagramação



A capa é delicada, em branco e tons de azul, para combinar perfeitamente com a história. As páginas são amareladas e a diagramação é simples. São poucos capítulos, e cada um inicia com um desenho e uma frase representativos. Possui orelhas.
As letras e o espaçamento são bons e a numeração das páginas é no canto superior externo, sendo que as páginas que iniciam capítulos não são numeradas. Encontrei só um erro de digitação/revisão, mas o uso excessivo de vírgulas me incomodou um pouco, sem prejuízo à leitura.


Leia um Trecho



Book Trailer



Nota



Autor

Gavriel Savit possui BFA em teatro pela Universidade de Michigan, onde ele cresceu, Como ator e cantor, Gavriel performou em três continentes de Nova York a Tóquio. Ele vive no Brooklyn. Este é o seu primeiro romance. 






Onde Comprar



O livro faz parte de nosso acervo pessoal. A resenha realizada aponta pontos positivos e/ou negativos encontrados pelo autor do post no decorrer da leitura. A opinião do autor é pessoal e independente da editora e/ou autor do livro.




Postado por




2 comentários :

  1. Olá Amanda!
    Ahhh sério que ficam questões no final? Poxa desanimei. Queria muito ler mas não curto finais em aberto.
    Bjs

    EntreLinhas Fantásticas - SORTEIO 250 SEGUIDORES! FALTAM APENAS 10 SEGUIDORES! NOS SIGA E PARTICIPE :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez você deva se dar a oportunidade, pois nem sempre um final aberto é ruim, pode significar a continuidade da vida, como é na realidade mesmo.
      Beijos.

      Excluir