.
Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

RESENHA #100: A GAROTA DO CALENDÁRIO - MAIO, DE AUDREY CARLAN

Ficha Técnica

Título Nacional: A Garota do Calendário – Maio (Skoob)
Título Original: Calendar Girl: May (Goodreads)  
Série: A Garota do Calendário – Livro 5
Autora: Audrey Carlan                 
Editora: Verus – Grupo Editorial Record
Ano: 2016
ISBN: 9788576865261
Páginas: 128
Formato: 20,8 X 13,4 cm
Acabamento: Brochura
Gênero: Romance, Erótico/Hot
Recomendação: 18+


Sinopse

Mia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. Ela tem um ano para pagar o agiota que está ameaçando a vida de seu pai por causa de uma dívida de jogo. Um milhão de dólares, para ser mais exato.
A missão de Mia é simples: trabalhar como acompanhante de luxo na empresa de sua tia e pagar mensalmente a dívida. Um mês em uma nova cidade com um homem rico, com quem ela não precisa transar se não quiser. Dinheiro fácil.
Parte do plano é manter o seu coração selado e os olhos na recompensa. Ao menos era assim que deveria ser...
Em maio, Mia vai trabalhar como modelo no Havaí, onde conhecerá Tai, um dos homens mais impressionantes que ela já viu. Com ele, Mia vai descobrir que o prazer não tem limites – e que ela deve aproveitar absolutamente tudo o que a vida tem a oferecer.


Opinião

Este livro é o quinto da série “A Garota do Calendário” e pode conter SPOILERS dos livros anteriores. Leia as resenhas de Janeiro, Fevereiro, Março e Abril.

Depois dos livros de Janeiro e Fevereiro, este é meu terceiro favorito da série. Mia vai para o Havaí, trabalhar de modelo para um estilista de moda praia, em sua campanha da nova coleção. Antes mesmo de viajar, ela se programa para receber sua melhor amiga e a irmã na ilha paradisíaca, já que terá um quarto só para si. O homem que a contratou é casado, e muito bem casado. Mas cenas de sexo não faltarão. Não quando o delicioso Tai está lá, disponível. Um samoano surfista, grande, com muitas tatuagens... Ulalá!

Pois é, minha gente... Mia se recuperou mais do que rápido da desilusão que sofreu em Abril. E que bela recuperação! Só entra homem bonito na vida dessa garota, vê se pode! É de dar invejinha!

O Tai tem uma família gigantesca – irmãos gostosões, inclusive – e sua mãe é a melhor. Ela sabe do futuro das pessoas, ao menos o amoroso, e eu realmente queria poder consultá-la sobre o meu, rs.  

Foi bem bacana ver um maior entrosamento da Mia com a irmã Maddy e a melhor amiga. Só não gostei muito da maneira superprotetora dela para com a Mads. Quer dizer, ela pode sair fazendo sexo com quem bem entender, e a irmã tem que se manter casta? Eu entendo que ela é mais como mãe da irmã, porém a Mia não pode travar assim o futuro dela, e menos mal que no final, tudo deu certo. Outra coisa que me irritou é a Mia se achar plus size vestindo calça 42/44. Menina, pode parar com isso! 

Eu imaginei que a Audrey partiria por um caminho, juntando a Mads com o Tai – o que talvez só eu tenha pensado, no fim das contas –, mas ainda bem que isso não ocorreu. Seria, no mínimo, estranho. Acredito que o Tai será uma pessoa com quem a Mia sempre poderá contar ao longo dos próximos livros, vamos aguardar. 

Como sempre, a leitura passou voando e já engatei em Junho, cuja resenha em breve estará por aqui. 
  

Frases Marcantes

“Passar um tempo com uma criança de oito anos consolidou a noção de que eu não estava nem perto de me sentir pronta para procriar, e talvez nunca estivesse.”

“Tai bebeu uma cerveja chamada The Big Wave, do tipo golden ale, e eu escolhi a Castaway, mais frutada. De alguma forma, os nomes delas pareciam se encaixar em nossas vidas. Castaway significa náufrago, e eu me sentia como um, flutuando ao longo da minha vida, indo de um lugar para o outro, enquanto Tai estava sempre em busca da grande onda – que era o significado do nome da sua cerveja –, a parte da vida que o faria se sentir completo.”


Capa e Diagramação

A edição é menor do que um livro “normal”, mas não chega a ser pocket (livro de bolso). A capa é bonita, mas por Tai se tratar de um modelo samoano e surfista, o homem de roupa social não ficou tão coerente com a história. Os capítulos iniciam sempre numa nova página, com o número correspondente e uma figura que me parece uma pimenta. As páginas são amareladas e possui orelhas.
A fonte das letras e o espaçamento são bons. A numeração das páginas é no centro, na parte inferior. Encontrei só dois erros de digitação/revisão, ótimo trabalho da editora.


Leia um Trecho



Book Trailer




Nota



Autora

Audrey Carlan escreve histórias de amor criadas para proporcionar aos leitores uma experiência sexy e romântica. Além de A garota do calendário, ela é autora das séries Falling e Trinity. Seus livros já figuraram nas listas de mais vendidos de jornais como New York Times, Washington Street Journal e USA Today.
Audrey mora na Califórnia com o marido e dois filhos. Quando não está escrevendo, ela gosta de praticar ioga, tomar uma taça de vinho com as amigas e ler romances picantes.


Onde Comprar



O livro faz parte de nosso acervo pessoal. A resenha realizada aponta pontos positivos e/ou negativos encontrados pelo autor do post no decorrer da leitura. A opinião do autor é pessoal e independente da editora e/ou autora do livro.


Postado por


Um comentário :

  1. Que bom que ela conseguiu superar a desilusão do mês passado, e agora embarca de cabeça de um relacionamento envolvendo apenas desejo, e sexo. Gostei do fato de outras personagens familiares estarem presentes, a irmã, e a amiga. Entendo perfeitamente o fato de ela não deixa a irmã se envolver com alguém que não a leva a serio.

    ResponderExcluir