.
Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

sábado, 31 de dezembro de 2016

RESENHA #115: EQUILIBRIUM: REFLEXO , DE DÉCIO GOMES

Ficha Técnica

Título Nacional: Equilibrium: Reflexo (Skoob
Série: Equilibrium – Livro 1
Autor: Décio Gomes
Editora: Coerência
Ano: 2016
ISBN: 9788592572051
Páginas: 192
Formato: 20,8 X 13,7 X 1,0 cm
Acabamento: Brochura
Gênero: Fantasia, Ficção





Sinopse

Luca é um consultor espiritual que possui um dom que vai além de conversar com espíritos. Ele nasceu com um olho azul e um castanho. O olho castanho vê o mundo dos vivos. O olho azul vê o mundo dos mortos. Retirado de sua vida pacata por um misterioso senhor interessado em uma consulta espiritual particular, Luca descobre ser o único capaz de quebrar as regras do universo além-vida. Graças a isso recebe uma missão: atravessar ao Reflexo, o mundo paralelo dos mortos, para encontrar o Equilibrium, o ser responsável pela manutenção do fluxo de espíritos vagantes que descontroladamente se acumulavam no mundo dos vivos. No Reflexo, uma visão distorcida e espelhada de seu próprio mundo, Luca encontrará uma grande aventura, assim como ferozes inimigos e também uma nova amiga, que o ajudará em sua busca alucinante através das ruas habitadas por centenas de espíritos vagantes.


Opinião

Décio Gomes trabalha como capista na Editora Coerência, e qual não foi minha surpresa quando soube que ele publicaria este livro pela mesma editora? E vou dizer, ele é um ótimo capista e...um ótimo escritor também!

Em “Equilibrium: Reflexo”, Luca é um consultor espiritual que possui o dom de ver e conversar com os espíritos. Ele possui um olho castanho, com o qual enxerga os vivos, e um olho azul, com o qual enxerga os mortos. Ele consegue conviver bem com esta habilidade, porém o que ele não sabia é que existiam outros como ele.

Ao notar que os espíritos vagantes aumentam no mundo dos vivos e ser conduzido praticamente de forma forçada à casa de August, um senhor em uma cadeira de rodas, Luca descobrirá a existência do Reflexo, o local para o qual os espíritos são encaminhados. Entretanto, com o Equilibrium do outro lado desaparecido, a passagem dos espíritos vagantes não se abre.

E é exatamente esta a função de Luca: passar do mundo dos vivos para o mundo dos mortos, utilizando seu olho azul (ou Blumergard), e descobrir o que ocorreu com o Equilibrium. Mas no Reflexo há muitos horrores, e o protagonista descobrirá que nada (ou quase nada) é mais assustador do que os vivos!

Se, por um lado, no mundo dos vivos ele possui Nancy, o espírito de uma menina que morreu de forma brutal, no mundo dos mortos ele será ajudado pela coreana Ji-Yun. Ela lhe mostrará as peculiaridades do Reflexo, explicará sobre os Claros, Escuros, Sólidos e o Inversor.

Com personagens bem carismáticos e narrado em 3ª pessoa, o livro é uma ótima pedida! História bem construída e que consegue prender. Dá orgulho de saber que é literatura nacional de boa qualidade. 

Porém, como nem tudo são flores, encontrei uma ou outra contradição, como por exemplo, o fato das pessoas se protegerem em casas e os Escuros não as adentrarem pelas portas, sendo que em uma cena, um Escuro é mostrado abrindo a porta. De qualquer modo, recomendo o livro de olhos fechados e já quero a continuação, mesmo que ele tenha um ótimo desfecho.
  

Frases Marcantes

“Seu olho castanho via os vivos. Seu olho azul via os mortos.
Nascera com aquele dom e, desde pequeno, se por algum acaso seu olho castanho se fechasse ou fosse de qualquer forma encoberto, o olho azul tornava-se como um espelho que refletia coisas invisíveis: espíritos vagantes, perdidos pelo mundo dos vivos, buscando cumprir suas missões e por fim realizar a passagem.”

“ — Acha que só porque morri passei a gostar de andar a pé? – Nancy respondeu com simpatia.”

“Sempre fora uma daquelas eternas crianças que consideravam proibições um desafio, e aquela era uma das mais tentadoras proibições que já recebera em toda sua curta vida.”

“Estava há pouco tempo naquele estranho mundo, mas havia já constatado uma grande certeza: jamais existiria algo pior do que o vazio e do que a solidão, fosse no mundo dos vivos ou no dos mortos.”

“Em seus pensamentos mais profundos, August mais uma vez teve a certeza de que a morte, assim como a vida, por vezes escolhia não ser muito justa.”


Capa e Diagramação




A capa foi bem construída para esta história. O título possui efeito envernizado. Os capítulos sempre se iniciam em uma nova página ímpar, que são levemente amareladas. A diagramação está primorosa, com as páginas que iniciam capítulos contendo o esqueleto de uma cidade ao fundo e uma ou outra ilustração. Possui orelhas.
A fonte possui um tamanho bom, o espaçamento entre linhas é bom e a numeração das páginas fica na parte inferior externa. Há alguns erros de revisão/digitação, que não prejudicam a leitura e provavelmente passarão despercebidos pela maioria.


Book Trailer



Nota



Autor

Pernambucano, nascido na cidade de Caruaru, lançou seu primeiro livro, Albertine, em Junho de 2012, e desde então vem ganhando destaque no ambiente literário indie do Brasil. Com cinco livros e vários contos lançados, recebeu inúmeras indicações a prêmios literários e em 2015 foi homenageado no Prêmio Clarice Lispector como um dos melhores romancistas do ano.




Onde Comprar



O livro é uma cortesia da Editora Coerência. A resenha realizada aponta pontos positivos e/ou negativos encontrados pelo autor do post no decorrer da leitura. A opinião do autor é pessoal e independente da editora e/ou autor do livro.


Postado por



Um comentário :

  1. Oi, Amanda! Adorei a resenha e fico muito feliz que tenha curtido o livro! O volume dois está programado para 2017, e vai fechar a duologia com uma história ainda mais cheia de ação <3

    ResponderExcluir