.
Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

RESENHA #28: A GAROTA NO TREM

Ficha Técnica

Título Nacional: A Garota no Trem
Título Original: The Girl on the Train
Lançamento: 27 de Outubro de 2016 (1h53min)
Dirigido por: Tate Taylor
Com: Emily Blunt, Rebecca Ferguson, Haley Bennett, Justin Theroux, Luke Evans, Lisa Kudrow
Nacionalidade: EUA
Gênero: Thriller, Suspense









Sinopse

Rachel (Emily Blunt), uma alcoólatra desempregada e deprimida, sofre pelo seu divórcio recente. Todas as manhãs ela viaja de trem de Ashbury a Londres, fantasiando sobre a vida de um jovem casal que vigia pela janela. Certo dia ela testemunha uma cena chocante e mais tarde descobre que a mulher está desaparecida. Inquieta, Rachel recorre a polícia e se vê completamente envolvida no mistério.


Opinião

Rachel Watson é uma mulher destroçada desde seu divórcio. Alcoólatra, desempregada e deprimida, ela não consegue se afastar do antigo marido, sua nova esposa Anna e a filhinha deles, apenas um bebê.

Ela possui o estranho hábito de ir observando as casas enquanto viaja de trem, em seu caminho de Ashbury a Londres. Um casal em particular passa a ser o seu modelo de amor, naqueles poucos segundos em que os vê do trem. Só que, em certo dia, ela observa uma cena da mulher fazendo algo que ela considera errado, e isso transtorna Rachel. Mais tarde, ela descobre que a jovem esposa está desaparecida.

Por sua própria escolha, Rachel acaba envolvida na investigação do desaparecimento, e ela mesma passa a temer o quanto estará envolvida no desenrolar dos fatos, já que afirma ter visto a moça desaparecer debaixo de uma ponte e a polícia afirma que Rachel estava nos arredores no dia do sumiço.

Não vou mentir, é um filme bem parado, até pelo fato de ser um thriller. Centrado em Rachel, mas com boas participações de outras duas personagens, Anna e Megan, o longa conseguiu manter meu interesse, ainda mais porque a todo momento vamos recebendo novas informações, ainda que sutilmente. Faltando uns 15 minutos para a revelação bombástica, eu consegui visualizar qual seria o final. Mesmo assim, foi surpreendente.

Emily Blunt encarnou MUITO bem sua personagem, e os closes da câmera em seu rosto ajudaram demais, especialmente nos momentos em que ela estava bêbada e também nos sentíamos assim. Para alguns, pode ser incômodo, mas achei bastante necessário ter essas aproximações.

Haley Bennett também interpretou uma Megan convincente, sem pudores. Rebecca Ferguson fez uma Anna meio sem sal, mas como ainda não li o livro, não possuo comparação. Luke Evans e Justin Theroux fizeram bons papéis. Com a participação pequena, Lisa Kudrow (a Phoebe de Friends) foi como uma chave para abrir a memória de Rachel e solucionar a trama.

O que eu consigo tirar de lição deste filme é que quase nunca as coisas são como as imaginamos ou idealizamos. A grama do vizinho parece sempre mais verde, só que a verdade pode ser BEM diferente... Pode ser só uma questão de ponto de vista (quem assistir ao filme, entenderá).

Além disso, aborda com profundidade a pressão sobre as mulheres na questão da maternidade. Rachel quer ser mãe, mas não pode. Megan não quer ser mãe, mas seu marido não lhe dá descanso e sempre insiste no assunto, obrigando-a a trabalhar de babá. Anna é mãe, mas talvez não tão eficiente ou satisfeita como se esperaria.

As três histórias se interligam de forma magistral, sem deixar furos. Gostei muito e indico o filme de olhos fechados! Já o livro, lerei o quanto antes, mesmo já sabendo o desfecho.





Trailer



Nota  



Postado por


Nenhum comentário :

Postar um comentário