.
Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

quinta-feira, 20 de abril de 2017

RESENHA #141: A VINGANÇA DA AMANTE, DE TAMAR COHEN

Ficha Técnica

Título Nacional: A Vingança da Amante (Skoob
Título Original: The Mistress’ Revenge (Goodreads
Autora: Tamar Cohen
Editora: Record
Ano: 2011
ISBN: 9788501095381
Páginas: 335
Formato: 20,8 X 13,6 X 1,9 cm
Acabamento: Brochura
Gênero: Ficção, Romance, Thriller





Sinopse

Um coração partido é capaz de fazer uma mulher perfeitamente normal enlouquecer?
Sally e Clive viveram uma grande paixão proibida. Por cinco anos, Sally orquestrou sua rotina de jornalista freelancer e mãe de dois filhos para conciliar suas obrigações com os encontros tórridos e casuais com Clive. Daniel, seu marido, nunca desconfiou que a mulher tivesse um caso com um amigo da família, muito menos que ela chegaria ao fundo do poço.
Rejeitada pelo amante, que sem mais nem menos resolve pôr um fim ao relacionamento extraconjugal na tentativa de salvar o casamento de mais de vinte anos, Sally não consegue aceitar o término. Vive inventando desculpas para justificar o comportamento de Clive e acredita que vai conseguir fazê-lo enxergar que os dois nasceram um para o outro. Emocionalmente abalada, ela procura ajuda médica, mas os antidepressivos – ingeridos quando quer e na quantidade que julga conveniente – só a deixam mais desestabilizada.
Sally não consegue se concentrar no trabalho, nos afazeres domésticos, muito menos nos filhos. E, na esperança de que a qualquer momento Clive possa mandar um e-mail dizendo que não consegue viver sem ela, não sai da frente do computador. Principalmente depois de adicionar a mulher e a filha grávida do antigo amante aos seus amigos no Facebook. Isso só reforça seu comportamento obsessivo, mas ela não tem ideia de que essa obsessão pode levá-la a um caminho sem volta.
Desde Atração fatal não se vê uma história que expõe os efeitos colaterais de um caso amoroso de um jeito tão instigante e perturbador. Narrado em primeira pessoa, este romance espetacular de Tamar Cohen prende o leitor do início ao fim e o surpreende com uma inteligente reviravolta.


Opinião

Sally é uma jornalista freelancer, casada com Daniel e mãe de Tilly e Jamie. Durante 5 anos, ela manteve um caso amoroso com Clive, um amigo da família. Ele é casado com Susan, pai de Liam e Emily, que está grávida e é a futilidade personificada.

Há mais de 20 anos casado, Clive decide romper com Sally, justificando que quer salvar seu casamento. Mas será que esta é a real motivação? Será que ele realmente chegou a amar Sally, ou só se aproveitou pelo tempo que lhe foi conveniente e agora a descartou como lixo?

Sally é a narradora em 1ª pessoa e escreve diretamente para Clive, o que no começo causou certa estranheza. Ela começa a relatar sua rotina, que agora é basicamente relegar sua família para escanteio, deixar a casa um nojo e ficar 24 horas em frente ao computador, não trabalhando, mas esperando receber e-mail de um Clive arrependido pelo término. Afinal de contas, foi através de e-mails que Clive a procurou, quando tinha segundas intenções com ela. Ou seja, Sally é só obsessão e negligência neste novo momento de sua vida, no qual ela atinge o fundo do poço e pode, eventualmente, levar consigo toda sua família.

A todo momento, ela cria oportunidades para reencontrar Susan e Emily, especialmente após adicioná-las no Facebook. Ainda por cima, Sally tenta justificar suas ações alterando conselhos dados por sua psiquiatra, Helen Bunion. Obviamente, o ex-amante não gosta desta situação e, portanto, passa a fazer ameaças. Mesmo assim, ela ainda tenta defendê-lo para si própria, até chegar a um ponto insustentável.

No meio de toda esta situação, ela sempre volta a lugares e situações nas quais esteve com Clive, e assim o leitor pode se inteirar dos motivos de sua revolta e depressão com o término. Toda esta obsessão e negligência de Sally me causaram tanta ojeriza, que eu cheguei a desejar que ela, Clive e Daniel (que é um marido bundão) morressem. Sério mesmo!! É claro que não direi se é este o final!

O livro não contém capítulos, é tudo narrado de uma vez só, utilizando separações quando pertinente. Isto fez com que os ganchos para as próximas cenas fossem ainda mais fortes, porém eu ainda prefiro livros com capítulos.

É inegável que sua fracassada relação com Clive lhe trouxe muita experiência, mas em alguns trechos a escrita é tão escatológica e “caçoa” dos dotes de Clive, que não dá para entender como ela se apaixonou e ficou tão dependente deste homem. Há momentos em que é nítido que ela faz um comparativo entre amantes e esposas, tentando atrair compreensão para si e seu caso. Bem, comigo esta estratégia não funcionou.

A leitura é boa, a escrita da autora é muito boa, porém não consegui me conectar com Sally, creio que por achar suas atitudes muito surreais. Também não criei empatia com nenhum dos outros personagens. Além disso, não considero o livro exatamente um thriller daqueles que te prendem, mas sim um suspense bem simples, sem tantas surpresas e reviravoltas.
 

Frases Marcantes

“O que não cheguei a lhe contar é que eu mesma sou a última pessoa que quero ser ultimamente.”

“E a verdade é que não estou com a consciência pesada. A respeito de nada. Sei que deveria estar, mas não estou. ‘Culpa é um sentimento tão pequeno-burguês’, você costumava dizer. Sempre encarou a culpa como um desperdício. E estava certo, é claro. Tão inteligente esse seu jeito de classificar as emoções: de acordo com a utilidade delas.”

“Você costumava dizer que éramos as duas metades da laranja. Agora fico pensando se não éramos só o bagaço.”

“Aonde foi parar aquele Clive? Existe algum universo paralelo em algum lugar povoado inteiramente pelas pessoas que imaginamos conhecer por dentro e por fora – até que, de repente, elas se transformam em pessoas inteiramente diferentes? Um lugar para as pessoas que eram antes que suas personalidades fossem abduzidas e os alienígenas tomassem conta do corpo delas?”

“Eu ficava intrigada sobre como o seu ímpeto para trabalhar se encaixava em seu lendário apetite por hedonismo ou com a libertinagem da qual, em seu íntimo, você se orgulhava tanto. Mas, depois, me dei conta de que era tudo parte de um mesmo todo, a mesma necessidade de exercer controle, até sobre suas paixões descontroladas.”

“Na verdade, me esforço para encontrar uma época que possa de fato chamar de feliz. É fácil reescrever o passado, moldando-o da forma que é conveniente para nós enxergá-lo agora. (...) Tivemos alguma felicidade juntos, mas foi uma felicidade comprada, mais do que construída.”

“Eu já tinha decidido que não levaria aquilo adiante. Só queria ver como seria: eu estava na cabine da loja da infidelidade, experimentando um vestido que sabia ser caro demais para mim, mas eu queria saber como seria usá-lo, só uma vez.”

“Helen pensa que me conhece, mas ela não me conhece. Achei que conhecia você, mas eu não o conhecia. Eu achei que você não me machucaria, mas me machucou. Nenhum de nós sabe tudo sobre o outro. Estamos todos apenas tateando no escuro.”

“Tenho que admitir, Clive. Aquele ‘Nunca falei nada que não fosse verdade. Na época.’ é simplesmente genial. Dá a você carta branca para dizer exatamente o que quiser, sabendo que pode retraçar seus passos a qualquer momento no futuro com a integridade intacta. Eu realmente preciso me lembrar disso da próxima vez.”

“De todas as coisas na vida nas quais não se pode confiar (e vamos encarar os fatos, existem muitas delas), a memória é a mais traiçoeira.”


Capa e Diagramação


A capa é muito linda, com somente a abelha em detalhe envernizado. Fugiu muito da versão original, e eu achei até melhor, apesar de não conseguir ligar, de fato, a história com sua representação. Possui orelhas.
O livro é narrado de uma vez só, sem capítulos, utilizando somente separações quando pertinente. As páginas são levemente amareladas e resistentes. A fonte da letra é bem pequena e o espaçamento entre linhas é bom; a numeração das páginas está na parte central inferior. A diagramação é simples.
Encontrei cerca de 24 erros de revisão/digitação que não chegam a atrapalhar na leitura.


Nota



Autora

Tamar Cohen é jornalista freelancer e mora em Londres com o marido e os três filhos adolescentes. A vingança da amante é seu romance de estreia.






Onde Comprar



O livro faz parte de nosso acervo pessoal. A resenha realizada aponta pontos positivos e/ou negativos encontrados pelo autor do post no decorrer da leitura. A opinião do autor é pessoal e independente da editora e/ou autora do livro.


Postado por


Nenhum comentário :

Postar um comentário